Foto: Ronaldo Barreto/NETLUSA

Essa semana li aqui no NETLUSA que os nossos clássicos no Paulistão do ano que vem devem ter duas torcidas. Acho que seria uma boa, já que não tem sentido deixar gente que quer entrar no estádio do lado de fora, ou ‘infiltrado’ na torcida adversária. Ao mesmo tempo, me faz pensar: será que os outros grandes de São Paulo nos enxergam da mesma forma que nós os vemos?

LEIA TAMBÉM: Danilo Pereira anuncia saída da Portuguesa

Lembro naquela época entre 2009 e 2013, que disputávamos vários por ano, a maioria dos meus amigos não levava a sério quando eu chamava de “clássico”. Já ali eu sentia uma dificuldade do pessoal mais jovem em entender a grandeza da Lusa. Por parte do pessoal de gerações mais antigas, o discurso costumava ser outro. Mesmo assim, muitos ainda falavam de “clássico” mais no sentido do passado do que no do presente.

QUER VESTIR AS CORES DA LUSA?
Adquira aqui a camisa retrô da Portuguesa com frete grátis


Pra começar, acho que a própria definição de “clássico” gera debate. Há muitos anos eu vi uma dessas mesas redondas de futebol na TV em que se falava sobre isso. O PVC (Paulo Vinicius Coelho, à época na ESPN) disse algo (não especificamente sobre a Lusa, mas de forma geral) que eu nunca esqueci: “A partir do momento em que a gente discute se é clássico ou não, é porque não é”. Não concordo com isso, mas acho uma reflexão válida.

Pra mim, clássico no futebol é algo que abrange principalmente os conceitos de tradição e rivalidade (além de localização, em muitos casos).

Existem jogos que têm muita tradição, mas não contam mais com tanta rivalidade – como é o caso do América-RJ contra os grandes do Rio, ou do América-MG contra Atlético e Cruzeiro. Outros têm mais rivalidade do que tradição – como foi o Corinthians x Internacional ali por volta de 2006, e acho que seria o caso de um Lusa x Fluminense depois de 2013.

Qual a soma necessária entre tradição e rivalidade que resulta num clássico, porém, eu não sei. Pra mim, o lado da tradição pesa mais, então me parece natural que a Lusa jogue os clássicos citados.

Acho que ninguém aqui diria que um jogo da Portuguesa contra São Paulo, Palmeiras, Corinthians ou Santos não tem tradição – isso sobra! Agora, quanto à rivalidade, cabe discussão. Eu sinto que na maioria das vezes há uma relação de simpatia ou, no máximo, desinteresse por parte deles – enquanto na torcida da Lusa a maioria acaba torcendo contra os outros grandes.

Claro que me refiro ao contexto atual. Ao longo das inúmeras pesquisas que já fiz sobre o passado da Lusa, acho que não cabe muito discutir. Na década de 70, por exemplo, as reuniões para decisão dos mandos dos clássicos costumava contar com a presença da Lusa.

Nos anos 1990, os principais meios de comunicação também destacavam os confrontos como “clássicos”. Mas, conforme a nossa decadência, sinto que isso foi se perdendo.

Alguns dos jogos mais memoráveis que eu já fui da Lusa foram clássicos. A atmosfera e a expectativa são especiais. Mas convenhamos que os últimos que jogamos nem valeram muito – apesar de serem considerados para estatísticas oficiais. Corinthians, Santos e São Paulo pela Copa Paulista, sempre usando times de garotos contra o nosso principal. Do lado deles, a arquibancada vazia, já que a competição era vista mais como treino, com pouca divulgação e sem ambição.

Talvez o que esteja mais fresco na memória do torcedor rubro-verde seja um jogo da base: Palmeiras x Portuguesa no Pacaembu, pela Copa São Paulo de 2018. Esse, sim, com jeito de clássico.

Antes disso, tivemos os de 2015 e 2014, também sem grandes memórias. Já 2013 foi um ano bom pra gente. Vencemos o São Paulo, num jogo emocionante no Canindé, por 2 a 1, o Corinthians por 4 a 0 em Campo Grande e o Santos por 3 a 0 no Canindé. No ano anterior, 3 a 0 também no Palmeiras do Felipão.

Quem sabe 10 anos depois a gente não repita alguns desses placares na Série A1?

* André Carlos Zorzi é jornalista, autor de “Para Nós És Sempre O Time Campeão – A Portuguesa de 1996” e coautor de “Lusa: 100 Anos de Amor e Luta”.

Acompanhe o NETLUSA no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube

5 comentários

  1. No meu caso eu relativo os clássicos, considero os jogos contra os outros 4 grandes de São Paulo, mas com o tempo também passei a considerar os jogos contra os grandes do Rio, cada um por um motivo como o Vasco que tbm tem raízes portuguesas ou o fluminense pelo roubo etc.., ultimamente jogos contra Ponte Preta e Guarani pela disputa paulista, e nesses anos ruins considerava tbm os jogos contra Juventus, portuguesa santista e XV de Piracicaba como jogos importantes, na minha humilde opinião.

  2. Sou são paulino e considero jogo com a Portuguesa como clássico pela tradição. Acredito q a fase ruim da Lusa tenha gerado essa dúvida mas clássico ñ deixa de ser clássico.

  3. Portugal foi campeão europeu há poucos anos, mas se Portugal jogar com o Brasil, será um clássico? Na minha opinião, não. Falta história, falta torcida, faltam títulos, falta polêmica e, acima de tudo, falta rivalidade. Brasil x Argentina nós sabemos que é clássico sem nem precisar discutir. Acho que o PVC está certo. Na Inglaterra é mais fácil entender isso por causa do idioma, que tem uma palavra pra jogos tradicionais e outra pro que chamamos de clássicos, os “derby”. Arsenal x Tottenham é um derby de Londres, mas Arsenal x Fulham é só um clássico londrino. Os jogos da Portuguesa são tradicionais, e são clássicos no sentido histórico, mas não na rivalidade. Já era assim antes e piorou depois que a Portuguesa caiu. Agora que voltou, vão ser preciso muitos anos de vitórias, títulos e crescimento da torcida para se tornarem clássicos. Desculpem se a minha opinião não agradar alguém.

  4. A caminhada é longa. Não podemos desanimar!
    Até a Portuguesa do RJ está melhor que nós.
    No jogo da loteria (timemania) a Portuguesa foi tirada entre os clubes de aposta. O negócio é olhar pra frente, enfrentar a realidade e recuperar o prestígio.

Atenção: este é um espaço para debate saudável sobre a Portuguesa. Respeite os colegas rubro-verdes do site. Ofensas são proibidas e o comentário não será publicado.

Please enter your comment!
Please enter your name here