Foto: Divulgação/Portuguesa

Não é necessário dizer que a derrota fora de casa por 3 a 1 para o Botafogo, pelas semifinais da Copa Paulista, deixa a Lusa novamente fora de qualquer competição nacional no ano que vem. Na melhor das hipóteses, o clube terá que vencer a Copa Paulista, que ninguém mais suporta ter que disputar, em 2022 para voltar à Série D em 2023. É um caminho longo, mas necessário.

LEIA TAMBÉM: Alex Alves diz que Lusa precisa de ‘pequenos ajustes’ para 2022

A atual gestão do clube tem feito um trabalho notável para recuperar a imagem da Portuguesa e tornar a sua existência viável. Tem conseguido, mas falta o principal: resultados dentro de campo. Por mais duro que seja, este é o único jeito.

> Apoie o NETLUSA e tenha benefícios exclusivos! <

A reconstrução é lenta. É a diferença entre dar uma ajeitada em uma casa condenada e reconstruir um imóvel firme. A longo prazo, a Portuguesa precisa de uma estrutura que impeça que ela bata e volte. Só que o futebol de competição exige resultados, ainda mais em um clube onde a política não é das mais amigáveis.

Depois de temporadas a fio lutando como dava para não ser rebaixada à Série A3 do Campeonato Paulista e passando vergonha atrás de vexame na Copa Paulista, a Lusa precisava ser competitiva. Após a queda precoce na Série D de 2017, quando foi a última colocada de seu grupo, quase a Lusa caiu para a Série A2, escapando nas últimas rodadas; o mesmo filme em 2019, ano em que ficou somente dois pontos acima do primeiro rebaixado, o Nacional.

Na Copa Paulista, torneio que disputa assiduamente desde 2017, a melhor campanha havia sido a semifinal no primeiro ano, quando perdeu para a Ferroviária, que viria a ser campeã. Depois disso, um fraco desempenho em 2018, caindo na primeira fase, e o descalabro de 2019, quando ficou na lanterna em um grupo de seis times em que passavam quatro e que tinha, entre eles, o Sub-23 do Corinthians, que também não avançou.

Nas duas últimas edições da A2, a Lusa passou de fase e flertou com a volta à elite do Estadual, caindo nos jogos eliminatórios. Na Copa Paulista, além da chegada à malograda semifinal de ontem, a Portuguesa venceu a edição da temporada passada e, assim, voltou a disputar uma competição nacional, mas também ficou pelo meio do caminho quando começaram os mata-matas, o que tem sido rotina. Um clube que está no quase, batendo na trave, precisa entender onde está o erro para dar o passo que falta. Para jogos decisivos, além de times bem montados, é necessário ter no elenco jogadores talhados para estes momentos. E é assim em qualquer nível, seja na Copa Paulista ou na Liga dos Campeões.

O ideal é haver tempo, mas no futebol brasileiro os resultados é que garantem a viabilidade de um projeto, não o contrário. Por isso, é urgente que a Lusa garanta um calendário nacional para, mais que ter tranquilidade, conseguir o mínimo de condições políticas para que os mesmos que a jogaram no poço onde está não voltem, que é o que costuma acontecer quando grupos distintos disputam o poder.

Se há algo que a Portuguesa não precisa, são fórmulas mágicas ou receitas fáceis – e estes discursos barulhentos e vazios funcionam porque política é política em qualquer lugar. Somente o trabalho sério levará a nau lusitana a águas navegáveis. E de preferência com uma tripulação sem um histórico de naufrágios.

* Marcos Teixeira, 43, é jornalista, lusitano e colunista do site Ludopédio.org

Acompanhe o NETLUSA no Facebook, Instagram, Telegram e YouTube

5 COMENTÁRIOS

  1. precisa subir no paulista, o foco tem que ser esse, no paulistao série A1 uma campanha mediana garante série D, e garante cotas de tv e jogo com os outros grandes, talvez buscar patrocínio, contratar bem, fazer um projeto para subir, e contar com a sorte dos outros rivais (XV, Taubaté, São Caetano…) não serem bancados por empresas muito fortes em grana.

    comparado com a gestão anterior a gestão do Castanheira é boa, conseguiu organizar os acordos trabalhistas, conquistou um título, as ações de marketing são boas, conseguiu patrocínio, tem a questão da pandemia também que atrapalhou. Mas precisa de mais resultados dentro de campo, subir pra série A1 tem que ser a missão principal.

  2. SE não contratarem um técnico vencedor e com larga experiência e que conheça os bons jogadores que deverão ser contratados para montar um time competitivo não chegaremos a lugar nenhum. Com essa mentalidade de técnicos baratos e sem nenhum curriculum e jogadores meia boca nunca chegaremos a nada. Mais uma vez é a hora de analisar os erros e mudar a mentalidade criada no Canindé. Prestem atenção nos times do interior que estão crescendo e aprendam para evoluir e acabar com essa visão retrógrada existengte no Canindé!
    CASTANHEIRA CHEGA DE INCOMPETÊNCIA NO FUTEBOL !

  3. Só olhar os exemplos dos clubes paulistas que vem ascendendo nas divisões nacionais. Ituano, Mirassol, Novorizontino, são clubes que se consolidaram na Série A1, se estruturaram e só depois buscaram essa escalada nacional. São clubes que tem investidores, isso faz diferença, mas o ponto central é que não temos exemplos de times que cresceram no cenário nacional, caindo no estadual. Pelo contrário, São Bento e Oeste são exemplos de times que estava na Série B, caíram no estadual e, agora, despencam no cenário nacional. Jogar a Série A1, dá visibilidade para atrair bons jogadores e patrocínios, além das cotas de TV, que mesmo sem a Globo, ainda será um valor bem acima da média de outros estaduais. O foco tem que ser voltar e se estabelecer na Série A1, atingir uma divisão nacional que assegure um bom calendário ao clube, será uma consequência natural.

  4. O futebol infelizmente é imprevisível. O objetivo é arrumar a casa em termos de finanças e de gestão pra conseguir ter condições de disputar várias vezes essas “promoções” que vão dar estabilidade à Lusa. Em alguma dessas vezes vai dar certo e vamos subir. O trabalho da gestão do Castanheira é bem melhor que qualquer uma dos últimos 10 anos, todo mundo sabe. Não vamos jogar fora esse bom trabalho. É hora de viver o luto e esfriar a cabeça pra analisar com calma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here