Ministro Abraham Weintraub (Foto: Marcelo Camargo/Ag. Brasil)

A Portuguesa se sentiu incomodada com um tweet do ministro da Educação, Abraham Weintraub, na última quarta-feira (14). Através de um comunicado, o clube repudiu a postura do ministro.

No Twitter, Weintraub comparou o número de manisfestantes em um protesto da Avenida Paulista com a quantidade de torcedores lusitanos, em tom de piada.

Na nota, assinada pelo presidente Alexandre Barros, a Lusa rebateu dizendo que “devemos alertá-lo que nossa educação não é uma primazia, a despeito de sua própria declaração, que como ministro da Educação, conseguiu em breves linhas desrespeitar a democracia, crenças, ideologias, laços culturais”.

“Não respeitou uma entidade quase centenária, que ao longo de sua história foi celeiro de diversos craques nacional e internacional”, continuou.

O comunicado também lembrou o rebaixamento de 2013, o início de uma derrocada inimaginável ao torcedor.

“Não somos meia dúzia de pessoas, somos milhões, parte deles silenciados por terem sofrido com a maior vergonha da história do futebol nacional, que culminou com o rebaixamento desta Associação no ano de 2013, algo não apurado de maneira contundente pelo Poder Público, cujos desdobramentos estão presentes até os dias atuais. Mas continuamos de pé, porque o amor não se mede por divisão, nem por quantidade.”

Confira o comunicado na íntegra:

Com muita indignação esta Associação Portuguesa de Desportos que sempre respeitou o Poder Público, e que desde sua origem contribui para o crescimento do desporto no país, recebeu a notícia de um post no Twitter pela conta pertencente ao Ministro da Educação, Abraham Weintraub, que buscando menosprezar uma manifestação popular, comparou-a a uma manifestação de torcedores desta Associação.

Primeiramente Sr. Ministro, devemos alertá-lo que nossa educação não é uma primazia, a despeito de sua própria declaração, que como ministro da Educação, conseguiu em breves linhas desrespeitar a democracia, crenças, ideologias, laços culturais.

Não respeitou uma entidade quase centenária, que ao longo de sua história foi celeiro de diversos craques nacional e internacional.

Para se “defender” de uma manifestação democrática, ofendeu uma nação de apaixonados, menosprezando suas conquistas e lutas. Ofendeu nossas origens e também a profissão digna de muitos.

Aqui não é uma comunidade de padeiros, mas temos entre nós muitos deles, e são orgulhos de nossa origem.

Não somos meia dúzia de pessoas, somos milhões, parte deles silenciados por terem sofrido com a maior vergonha da história do futebol nacional, que culminou com o rebaixamento desta Associação no ano de 2013, algo não apurado de maneira contundente pelo Poder Público, cujos desdobramentos estão presentes até os dias atuais.

Mas continuamos de pé, porque o amor não se mede por divisão, nem por quantidade.

Respeite nossa história, respeite nosso amor.

Hoje, mais do que nunca VAMOS À LUTA.

São Paulo, 14 de agosto de 2019,

99 anos da Associação Portuguesa de Desportos

Alexandre Azevedo Barros

Presidente da Diretoria

Veja também: